terça-feira, 2 de dezembro de 2014

SUBÔRNO OU COMPRA DE VOTOS?











MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):


Em 2014, foi aprovada que as emendas individuais se tornaram impositivas, ou seja, com execução obrigatória. Em fevereiro, quando publicou o decreto de contingenciamento, o governo havia destinado R$ 6,4 bilhões para as emendas individuais no ano. Agora, o valor foi ampliado para R$ 6,9 bilhões. Na prática, o governo está aumentando os gastos em R$ 10,032 bilhões neste final de ano, em relação aos limites que havia fixado em fevereiro, quando anunciou o chamado contingenciamento (congelamento) de parte dos gastos públicos. Em fevereiro, os gastos estavam liberados em R$ 252,6 bilhões e agora o valor final subiu para R$ 262,6 bilhões, no acréscimo de R$ 10,032 bilhões.
O texto do decreto deixa explícita a condicionante entre a liberação dos gastos e a aprovação do projeto que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2014 e permite ao governo descumprir a meta fiscal deste ano. O governo explica que só poderá ter recursos para os pagamentos se houver a redução no superávit primário de 2014.
Ou seja: A Presidanta continua gastando mais do que devia. Os gastos públicos e os Cartões Corporativos, continuam sendo usados ao 'bel-prazer'.
O Planalto ao editar, às vésperas da votação que muda a meta fiscal de 2014, decreto condicionando uma liberação de R$444,7 milhões para emendas individuais de políticos à aprovação da proposta (ampliando em em R$10,032 bilhões os gastos da máquina pública) ,deixa explícito o suborno e a barganha.
A pressão do Planalto ocorre depois da rebelião da base aliada na semana passada, quando os parlamentares dos partidos aliados não compareceram à sessão do Congresso.
Nesta segunda-feira, além de garantir o chamado empenho (promessa de pagamento futuro) das verbas.
Desta forma, quer o Governo Federal mudar as regras do "jogo", pisando de novo no "tomate"  para outra vez beneficiar-se e, alardear que está tudo bem e no caminho certo(?).

Eta Brasil triste!!!!







Nenhum comentário: