quarta-feira, 3 de outubro de 2012

UMA AULA DE DIREITO:
Em voto contundente, o ministro Celso de Mello afirma que o “projeto criminoso” dos réus maculou o próprio espírito republicano. O decano do STF, foi alem de condenar todos os réus citados no capítulo 6 da denúncia do mensalão. Ontem antes de proferir o voto, deu uma aula de ‘direito’: fez um categórico discurso em defesa da Corte e da moralização. Chamou os ex-deputados e parlamentares condenados pelo Superior Tribunal Federal, de ‘marginais do poder’, afirmando que, corruptos e corruptores envolvidos no esquema fizeram uma “aliança profana” para negociar votos e interferir no resultado do Congresso. O ministro também  que o esquema vitimou toda a sociedade:’Foi um verdadeiro assalto à administração pública, com graves danos e sério comprometimento da dignidade da função pública. Dentre os diversos à partes dos colegas (sempre elogiando-o), ressaltamos a intervenção do presidente da corte, ministro Ayres Britto, com uma citação para corroborar com os argumentos do decano. “Ulisses Guimarães disse que, a corrupção é o ‘cupim da República”. Destacou ainda o ministro Celso que, o processo do mensalão ‘revela a face sombria daqueles que, no controle do aparelho de Estado, transformaram a cultura da transgressão em prática ordinária do poder; como se o exército das instituições da República pudesse ser degradado a uma função de mera satisfação instrumental de interesses governamentais ou desígnios pessoais”.
Como se pode observar, foi uma verdadeira aula.

Obs: matéria em parceira com o CPIBRASIL.COM

Um comentário:

Maria José Rezende disse...

Roy. Adorei a matéria. Já fui visitar o CPI. Nesses espaços sempre ficamos muito bem informados. Beijos.