segunda-feira, 6 de agosto de 2012

TIRO PELA CULATRA



MOMENTOBRASIL.COM (comentário):
Como era de se esperar, a postura do ministro Ricardo Lewandowski no começo do julgamento do mensalão mostra bem a disposição dele de se fazer um empecilio ao relator do processo, ministro Joaquim Barbosa.
O papel de revisor não é o de contestar o relator, o que pode acontecer pontualmente, mas Lewandowski entrou no julgamento com a decisão de marcar sua posição a favor dos réus, persistindo a dúvida se defenderá a absolvição generalizada ou se atuará em favor de penas brandas.
Parecendo 'ser missa encomendada', a atuação do ministro Lewandowski surtiu o efeito desejado: retirarou o foco do ministro Dias Toffoli, que se mostrou à vontade para participar do julgamento. A proposta de desmembramento do processo, levantada novamente pelo advogado de defesa Márcio Thomaz Bastos, não precisaria ser analisada tão detalhadamente quanto o fez Lewandowski se ele não estivesse querendo marcar o terreno da defesa, respaldando uma tese que já havia sido rejeitada nada menos que três vezes pelo Supremo.
Foi o que irritou o ministro Joaquim Barbosa, que sentiu na atitude do revisor uma “deslealdade” com ele, pois, nos dois anos em que atuam juntos, não foi avisado de que Lewandowski respaldaria um pedido da defesa para “ressuscitar” um assunto que já estava superado pelo plenário do Supremo.
Resumo da òpera:
Todo esse jogo de cena, já era esperado por nosotros. O PTandowski já acumulou a primeira derrota e, sentiu na pele que o ministro relator continua firme e pontua pela honestidade de sempre. Seu tiro, saiu pela culatra.



Um comentário:

Dilmar Gomes disse...

Ainda bem, amigo Roy, ainda bem! Um abraço. Tenhas uma ótima semana.