quarta-feira, 2 de maio de 2012

SISTEMAS DE COTAS?

Aprovado o sistema de cotas nas Falculdades. (Obs: Universidade é o local onde situa-se o "Campus".
MOMENTOBRASIL.COM (Comentário):
No nosso tempo de estudante, aprendemos que no Brasil havia alem dos índios, brancos, negros e mulatos. Já faz algum tempo que o IBGE, descobriu os 'pardos'(não conseguimos até hoje, descobrir de qual  cruzamento de raças se origina). È degradante, uma nação ter que aprovar um sistema de cotas para ingresso em estabelecimentos de ensino superior. Mas com a escabrosa qualidade da educação que temos, dos males, o menor; Lamentável é que, o texto aprovado, exclui ìndios e 'pardos', como se esses não tivessem o mesmo direito dos irmãos considerados negros. Vergonhoso, também é o 'módus operandi' da UNB (DF) que determina vagas para índios sem a necessidade de prestar o vestibular. Por maior boa vontade que tenhamos, é impossível entender tantas e tamanhas disparidades  nas faculdades brasileiras e, que critérios são usados pelos nossos juristas, magistrados e entendedores de leis. Quando será que o bonsenso irá prevalecer?

3 comentários:

Mari Rehermann disse...

No meu conceito, cotas para ingressar na universidade é um tipo de preconceito. É como se o governo estivesse afirmando que a raça branca é mais inteligente do que as demais, que no caso precisam de vagas especiais por não serem capazes de atingir a média das pessoas brancas no vestibular.

Beijos!♥

Jabanews disse...

Boa tarde Roy,

O Supremo, ao reconhecer a constitucionalidade das cotas raciais da UNB, perdeu mais uma oportunidade, nos julgamentos que autointitula históricos, de ser Supremo e não mero canal das demagogias de um governo de hipócritas, ou palco de rompantes políticos, sociológicos e filosóficos, travestidos de constitucionalismo, sem nenhum conteúdo.
O reconhecimento do regime de cotas, de cunho racista e discriminatório, além de inconstitucional, é prova cabal da mediocridade e do induvidoso desinteresse do governo no campo educacional, cuja política já resultou em proposta, já se faz ano, de não reprovar os alunos nos três primeiros anos do ensino fundamental.
Muito se falou no julgamento, que o problema que impedia os agraciados com as cotas de alcançarem o seu desenvolvimento, em termos de instrução, seria a falta de renda. Pura falácia! O problema não é este, mas a falta de vergonha que coloca o ensino público, já no básico, ao nível de merda!
Ao argumentar, afastando-se das circunstâncias históricas, com a reparação de danos pretéritos do país, para fundamentar demagógico posicionamento, a Corte nivelou-se, vez mais, ao populismo dos hipócritas, assumindo o papel de mero apêndice de um governo que não cumpre com seus deveres constitucionais e que dissemina o flagelo da mediocridade.
Sistema de cotas - hipocrisia racista.
Flávio

Professor Gilberto Cantu disse...

Prazer encontrá-lo em meu humilde cantinho.
Obrigado pela ilustre visita.
Vou ser seu seguidor também.
Concordo com suas palavras: cotas será que vão corrigir uma injustiça do passado ou se estará cometendo outra?
já tive "atritos" com chamados educadores catedráticos por questionar as tais cotas.
Se as cotas vieram para corrigir injustiças, eu também quero a minha parte. Pois sou descendentes de judeus dominados e subjugados pelos romanos ao ponto de serem obrigados a mudarem até o mesmo sobrenome em nome da sobrevivência. A história conta o restante do sofrimento desse povo.
Sou da opinião que as cotas são uma forma de discriminação oficializada.(vamos reservar essas vagas para tais, porque eles não conseguem se equiparar aos demais). E tem mais: não sei porque existe vestibular. Defendo o livre acesso à universidade.
Nossa! Falei demais por ser um primeiro momento. Desculpe.
Gosto de trocar ideias, opiniões.
Volte sempre.
Um grande abraço.