terça-feira, 14 de junho de 2011

MULHERES ENCRENQUEIRAS.

Com mudanças na equipe, governo Dilma investirá para melhorar relação com Congresso e focar na gestão:

Ciente de que os problemas de articulação política de seu governo não acabam com a saída de Antonio Palocci e de Luiz Sérgio, a presidente Dilma Rousseff e sua nova equipe palaciana - formada pelas ministras Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Ideli Salvatti (Secretaria de Relações Institucionais) - terão de garantir novo ritmo às ações federais e resolver "gargalos políticos" que estavam obstruídos na Casa Civil. Para começar, será essencial que o governo encaminhe demandas represadas de aliados, para que Ideli se consolide no cargo mostrando serviço: fazendo nomeações para cargos federais nos estados e liberando emendas parlamentares apresentadas ao Orçamento da União ainda no ano passado. Interlocutores do governo garantiram que nomeações para cargos de segundo e terceiros escalões devem ganhar as páginas do Diário Oficial da União a partir desta segunda-feira. Na avaliação desses aliados, Ideli dará visibilidade a questões que estavam sendo negociadas e estavam à espera do aval de Palocci, que não vinha. A promessa é que, a partir de julho, haja um calendário de liberações das emendas do Orçamento de 2010, já que as de 2011 foram anuladas. Desde o início do ano, mesmo com os cortes no Orçamento de 2011, o governo já liberou, dos orçamentos de 2008 e 2009, mais de R$ 750 milhões. Mas o estoque de emendas aprovadas no Orçamento ultrapassa R$ 10 bilhões. Mais dependente do PMDB, que na crise se mostrou fiel mas exigente, e com o desafio de reunificar o PT na Câmara, Dilma terá que agir com rapidez. Ideli já começou a procurar parlamentares de confiança para pedir ajuda. A intenção é ter um grupo de colaboradores, muitos da época em que foi líder do governo no Congresso, para dialogar com Câmara e Senado. A primeira mexida no primeiro escalão do governo Dilma deve se limitar à da semana passada, por enquanto. Mudanças mais profundas virão numa segunda fase, provavelmente no fim do ano, quando ampliará o leque de ministros "com sua cara" - como Gleisi Hoffmann e Ideli Salvatti. Com a gestão do governo sob controle, mesmo durante a crise, o desafio de Dilma nas próximas semanas é a arrumação política. Para comandar o trabalho, além dela própria, que promete continuar os almoços com aliados, contará com Ideli e com o vice-presidente Michel Temer. O grupo palaciano sabe que não terá como fugir da pressão por cargos e emendas. A questão, dizia um dirigente petista sexta-feira, "é saber se esse bando de mulher brava vai conseguir negociar com partidos da base e resolver suas demandas a contento". Se isso não acontecer, acrescentou: "Vai ser uma encrenca."Na terça-feira, quando se definia a saída de Palocci, petistas reclamavam que nem o Incra - responsável pela questão agrária - tinha preenchido cargos do segundo escalão. No mesmo tom, líderes de outros partidos da base se queixavam, na semana passada, de que a defesa que fazem do governo não era retribuída. Eles esperam que Ideli tenha poder e não sirva apenas para atender a pedidos, como se referiam a Luiz Sérgio. Até o temperamento forte de Ideli é lembrado nessa hora.//
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
A presidentA Dilma Rousseff, começa a entender que os problemas de articulação política do seu governo não acabam com as saídas do Palocci e Luis Sérgio, e que 'gargalos políticosque estavam obstruídos pelo seu conselheiro da casa Civil e, que está mais dependente do PMDB, que continua exigente equerendo mais cargos e nomeaçoes para os segundo e terceiro escalões. Quanto as liberações das emendas do Orçamento de 2010, ja que as de 2011 foram canceladas, se não começarem a sair logo no início de julho, a 'fogueira' vai incendiar por completo. A dúvida, consiste no trio femenino ter jogo-de-cintura para unir e negociar com os partidos. Grandes encrencas, encontram-se na 'cabeceira da pista'.

2 comentários:

ArcadoAutoConhecimento disse...

Roy. Apesar da mudança de perfil do governo, que adquiriu um ar mais feminino, quando duas das principais figuras do núcleo central do governo, Antonio Palocci e Luiz Sérgio, deixaram os ministérios, o cenário político não se mostra muito favorável. Vamos aguardar o desenrolar dos fatos, amor, torcendo sempre a favor do Brasil. Beijos.

orvalho do ceu disse...

Olá,
Venho convidar-lhe para o meu post do dia 15 onde participamos um número considerável na BCFV em que debateremos a JUVENTUDE...
Participe vc também!!!
Seja sempre muito bem vindo(a)!!!
Bjs de paz
http://espiritual-idade.blogspot.com/