sexta-feira, 29 de abril de 2011

INFORMAÇÃO ACIMA DE TUDO.

Qual o mistério por trás do Belo Monte:
Por Osvaldo Nobre
Um dos setores mais bem planejados no passado foi o de energia elétrica. As aberrações (Balbina e Samuel) nada tiveram com este planejamento. Dentre os diversos parâmetros observados, procurava-se nas hidrelétricas construir barragens que, atendendo a curvas de altura em função de volume e área, com capacidade de armazenamento plurianual, visando a ter meios de fazer face a mais de um ano seco a cada cinco anos. Preocupava-se também em investir na transmissão em extra alta tensão (EAT) diante da evidencia que a Região Sudeste principal centro de carga do país mercê do desenvolvimento não teria no futuro possibilidades de construção de barragens de porte, o que obrigaria a trazer-se de longe a energia gerada em outras regiões, em especial da Amazonia. Assim, construiu-se um sistema de transmissão robusto, gradualmente interligado, de 500KV, e ampliou-se para acima disso (600 e 750KV) as linhas oriundas de Itaipu, visando à redução de perdas em distancias de mais de 2,5 mil quilômetros. Preparou-se pois o Brasil, com grandes investimentos, para viver o momento atual, isto é, trazer de aproveitamentos longínquos, num sistema hidrelétrico com bacias complementares, energia para qualquer ponto de carga do país. O primeiro parâmetro citado, qual seja, acumulação plurianual, foi abandonado na época do Grande Sociólogo, acompanhado pelos neófitos que instalou no MME, face a inércia, omissão e despreparo que marcaram o período. Deu no que deu. Apagão. E o mais grave, um Programa (poluidor) de Térmicas Emergenciais que, inicialmente, complementavam a geração, por falta de alternativa, e que, posteriormente, institucionalizou-se, não mais como emergência, mas já agora como forma de investir pouco, rápido e faturar-se imediatamente. O grande modelito do Tolmasquin. Os magníficos ambientalistas nada falaram, nada falam, nem tampouco se importam com a poluição e com os reflexos tarifários desta política. Para simplificar e não estender este texto, limitando-nos a obras maiores, o governo licitou Santo Antonio e Jirau, no Rio Madeira, e os gênios ambientalistas quase não chiaram e entubaram, até por conveniências inconfessáveis, os projetos ora em execução que observam características técnicas inéditas e inovadoras. Utilização de turbinas bulbos em dimensões nunca antes utilizadas e que portanto comportam as hipóteses do desconhecido. No entanto, Belo Monte, que é estudado há mais de 30 anos, e que, em decorrência de pressões de ambientalistas e defensores de índios, teve em 1994 o seu projeto reformulado, preservando áreas indígenas e reduzindo a área inundada em 66%, e em consequência a energia firme tem sido objeto de criticas permanentes e tentativas desesperadas de obstaculização. O curioso, e parece até anedota, que uma das críticas deste mesmos grupos que forçaram a revisão do projeto é que a energia firme é baixa em relação à capacidade instalada (11.250 MW). Ao longo do tempo já fizeram marola contra o projeto o cantor Sting, o cineasta James Cameron, a atriz Sigourney Weaver, o ator Joel David Moore, o bispo austríaco Erwin Krautler (este com alguma representatividade, pois esteve na região por bom tempo), culminando com o ato do Greenpeace derrubando, em 20/4/2010, um caminhão de esterco de boi na porta da Aneel. Outros, menos badalados, também se pronunciaram igualmente, e com raras exceções, sem nenhum vínculo com a nacionalidade brasileira ou com a nossa soberania. O grau de preparo desta gente é de tal ordem que todos, economistas, o ex-genro especialista que não evitou o apagão, jornalistas (alguns que pensam entender de tudo) e até publicitários, sentem-se à vontade para dizer qualquer coisa sem nunca terem estudado a questão. Recentemente um site Avaast tendo um norte-americano a frente (Bem Wikler), manipulando dados , confundindo áreas de estado com município, fez uma pressão danada e conseguiu via Internet que 500 mil brasileiros, incautos, assinassem um documento contra a usina. (Sergio Barreto Mota, em sua coluna neste MM, registrou que mais importante são os milhões da maioria silenciosa que são a favor da usina) Deviam antes obrigar o Obama a cumprir a promessa sobre Guantánamo, avaliar o que representaram e representam as milhões de toneladas de bombas jogadas no Iraque, no Afeganistão, a queima de petróleo nos EUA, a derrubada da floresta boreal no Alasca, em matéria de agressão contra o meio ambiente e a humanidade. Também há poucos dias, em debate na TV, com o físico Luiz Pingueli, um diretor de uma ONG, com sotaque estrangeiro, disse pérolas do gênero: a região não está preparada para receber 120 mil pessoas. Isto sob o olhar complacente e embevecido de uma jornalista que pensa entender de tudo. Preliminarmente, e sem xenofobia, deveria ter declarado sua nacionalidade e se seu país tem prática na construção de hidrelétricas, e se o objetivo é manter a região isolada e por quê? Foz do Iguaçu e Cidade Del Leste estavam preparadas quando começaram a construção de Itaipu? Ilha Solteira ou Três Lagoas estavam preparadas quando começaram Jupiá? Tucurui estava? Estamos tratando do município de Altamira, segundo maior em área do mundo, com cerca de 160 mil km² e com sua riquíssima hidrografia. Vão ser inundados 400 a 500 km² (0,25% a 0, 30%). A cidade de Altamira já tem mais de 105 mil habitantes, dos quais 80% alfabetizados. Não se ouviu uma palavra destes ambientalistas, do Ibama, da Funai, quando, em abril de 2009, a região foi inundada pelo rompimento de inúmeras barragens, feitas em cima da perna por exploradores locais, que obrigaram autoridades paraenses a decretar em 14 de abril de 2009 situação de calamidade publica. Lembra-se que uma barragem bem feita contribui para regularizar um rio, o que acaba ou atenua qualquer tipo de enchente. As pressões contrarias são tantas que deve haver algum mistério por trás de Belo Monte. A cidade de Altamira a mil quilômetros de Belém, cuja única ligação com outras partes é a Transamazônica, permanece isolada grande parte do ano (cheias). O que haverá além da riquíssima biodiversidade na chamada terra do meio, entre o Tapajós e o Xingu, maior area de floresta não perturbada na Amazônia Oriental? O que tem de diferente a topografia que, a partir de Marabá em direção ao Xingu, chega a ter altitudes de 700m? E o efetivo centro geográfico do Brasil? Se observarmos o local de construção da usina, formando um triângulo com Belém e Santarém, interligando-se com Tucurui e, no futuro, com as usinas do Tapajós, verificaremos que Belo Monte não é só importante pelos kWs que irá gerar, mas também, e não exclusivamente, como veremos em futuro breve, pela incorporação de um amplo território ao desenvolvimento. Quem são os donos daquelas terras? Que riquezas elas escondem? Quem as explora? É preciso lembrar que a cidade de Tucurui, em menos de 30 anos, se aproxima dos 100 mil habitantes. Embora situada longe dali, já não é suficiente a barbaridade da Reserva Raposa do Sol, em Roraima? O que querem no Xingu? Transformar os índios em latifundiários maiores ainda e persistir na sua exploração? Num raio de quinhentos quilômetros em torno de Belo Monte, excluindo-se Belém, já temos uma área de influencia da ordem de 2 milhões de brasileiros (Santarém, Marabá, Tucurui, Imperatriz…). Se utilizarmos o conceito de distância econômica de transmissão, a população abrangida se amplia muito mais ainda. Será que não é hora de estabelecermos regras para as ONGs estrangeiras ou que sejam financiadas por recursos externos? Até quando seremos a casa da mãe Joana, em que todo mundo manda, fala e explora? De examinarmos melhor o conluio descarado entre ONGs e aqueles ambientalistas que, por despreparo ou desonestidade, servem de margem de manobra? E a CPI? Sem dúvida o território brasileiro é muito grande, os meios fiscais são escassos, mas não seria possível, no momento em que se busca melhor ação nas nossas enormes fronteiras, atuarmos seletivamente, em algumas áreas do nosso território? O que faz ou pode fazer a Abin? E as Forças Armadas brasileiras? Até incursões eventuais ajudariam! Não é possível continuarmos a conviver com estas ONGs alienígenas! E o Congresso Nacional, o que pensa? E as representações políticas do Norte do país? Por que o Ibama não se preocupa com os problemas ambientais palpáveis: saneamento deficiente no país, entorno de Brasília, Baía de Guanabara, Tietê e Pinheiros, em São Paulo , favelas de Salvador, Recife e Belo Horizonte, desmatamento, queimadas, madeireiras no Norte? Se querem opinar sobre o Norte, que o Ibama e a Funai mudem sua sede para a Região Amazônica e ajudem a ocupá-la e desenvolvê-la. Teriam mais credibilidade. Se tivermos a cada hidrelétrica que nos submeter ao despreparo e interesses desta gente, sem que apontem alternativas térmicas ou outras antieconômicas, poluentes e incompatíveis com a região é melhor acabar com todo o planejamento que foi feito ao longo de muitos anos e aprender a conviver com os modismos importados há alguns anos e que não tem nada a ver com a nossa realidade. A propósito, como se formam ambientalistas no Brasil? Como os sociólogos? A maior poluição é a miséria! É hora de falar sério. Já há muitos problemas ambientais, reais, para esta turma, se quiser, de fato, trabalhar. Não devem se meter no que não entendem. Parem de bancar os inocentes úteis As representações políticas, principalmente do Norte, têm que colocar um paradeiro nisso. E as Forças Armadas precisam atuar nestas áreas ou, se já o fazem, aprimorar e aprofundar o seu trabalho. Terão grandes surpresas! (Osvaldo Nobre ).
Autor dos livros Brasil, país do presente, Bric ou RIC e 1999-2010 Década de Transformações.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Recebemos esse relatório/explicativo, a respeito da polemica usima nuclear, do particular amigo, identificado abaixo. Na qualidade de profissional da Imprensa Livre e, por via de consequencia, formador de opinião, sentimo-nos na obrigação de informar aos amigos leitores, uma outra visão, até porque, não somos radicais; somos sim, críticos contundentes e às vezes, irreverentes.

(Carlos Benone Castanheira
VECTOR CONSULTORIA E SERVIÇOS
benonevector@gmail.com
comercial@vectorproducoes.com.br
(061) - 9982 7229 / (061) - 8111 8820
(061) – 3382 5531 / Skype: cbenone
)






Um comentário:

ArcadoAutoConhecimento disse...

Bela postagem, amor. É preciso mesmo mostrar todos os lados de um mesmo fato. Beijos.