segunda-feira, 14 de março de 2011

ESCLARECIMENTOS SÃO DEVIDOS.

INCHAÇO CRIA ESPLANADA OCULTA EM BRASÍLIA:
Para acomodar estruturas administrativas de novos ministérios e um volume crescente de servidores, governo federal paga aluguéis exorbitantes.
Em meio às dificuldades do governo da presidente Dilma Rousseff em passar a faca nas despesas de custeio, Brasília é hoje vitrine de um fenômeno de gastança descontrolada: as dezenas de imóveis alugados fora da Esplanada dos Ministérios para acomodar o inchaço da máquina administrativa. Levantamento do Estado mostra que prédios e salas, só do primeiro escalão do Poder Executivo, pagam pelo menos R$ 9 milhões mensais de aluguel. A chamada "Esplanada oculta" custa, no mínimo, R$ 100 milhões por
ano, dinheiro suficiente para construir cerca de 2.700 casas do programa Minha Casa, Minha Vida. O inchaço ministerial começou no primeiro mandato do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003. Ele recebeu 26 ministérios do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), mas entregou 37 à presidente Dilma - que pretende criar mais dois: o da Micro e Pequena Empresa e o da Infraestrutura Aeronáutica. Na acomodação das novas pastas e ampliação das antigas, o governo "coloniza" prédios fora da Esplanada desenhada por Lúcio Costa e costuma dispensar licitação para escolher os imóveis a alugar. A suntuosidade e o custo do aluguel dos prédios muitas vezes é inversamente proporcional à relevância política e econômica do ministério. O caso mais evidente desse descompasso é o Ministério da Pesca e Aquicultura. A pasta da ministra Ideli Salvatti (PT) gasta R$ 575 mil por mês, num contrato de R$ 7 milhões por ano. Esse é o aluguel de um prédio espelhado de 14 andares, onde 374 servidores estão lotados. A ministra e 67 assessores nem ficam lá - dão expediente num prédio da Esplanada. Nos oito anos dos dois mandatos de Lula, os recursos da Pesca aumentaram mais de 70 vezes, de R$ 11 milhões para R$ 803 milhões, mas a produção nacional de pescado continuou em 990 mil toneladas.(Fonte: Col. Ricardo Noblat).
MOMENTOBRASILCOM.COM(comentário):
De que maneira a presidente quer conter os gastos? Como cortar 50 bi do orçamento? A quem querem enganar? Só no primeiro mês o governo gastou com passagens, alugueis, transportes etc com funcionários do planalto mais de 150 milhões de reais. O atual governo, repete as mesmas ações do primeiro governo Lula. A época, o Palocci era ministro da fazenda. Hoje, o Chefe da Casa Civil. Coincidencia demasiada, para não ter o dedo do super-ministro nas duas administrações. Até o momento, a agenda presidencial é modificada pelas inúmeras reuniões à portas-fechadas com seu atual braço-direito. Excetuando-se o aparecimento da Chefe-de-Estado num programa global, nenhuma outra entrevista foi concedida a Imprensa brasileira. Perguntas começar a amontoar-se para esclarecimentos a opinião pública. Até quando esse silencio irá perdurar?

Um comentário:

Maria José disse...

Roy, meu amor, isso sempre existiu, infelizmente. Hoje, fala-se mais. Por outro lado, nada acontece para impedir esses absurdos. Mas vamos continuar a espalhar a notícia, para quem sabe, um dia, o brasileiro despertar e tomar atitudes em favor do país. Beijos.