terça-feira, 4 de janeiro de 2011

HABEMOS DIVERGÊNCIAS NO MINISTÉRIO.

Ministro diz que resgatar fatos da ditadura é perda de tempo. José Elito Siqueira recebeu o cargo de ministro do GSI nesta segunda-feira .
O primeiro dia útil do novo governo já revela divergências entre ministros escolhidos pela presidente Dilma Rousseff. O novo ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), José Elito Carvalho Siqueira, saiu na direção contrária do que defendeu a nova ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, sobre a Comissão da Verdade. Ambos receberam os cargos nesta segunda-feira. Siqueira criticou a instalação da Comissão da Verdade, que tem a função de prestar esclarecimentos dos casos de tortura, mortes e desaparecimentos ocorridos durante o Regime Militar. “Nós veremos situações de passado, pontuais, que não levam a nada. Temos que pensar para frente, na melhoria do nosso país, das nossas gerações. Podemos estar perdendo tempo, espaço e velocidade se ficarmos sendo pontuais em situações isoladas do passado”, avaliou. Para o ministro, o golpe militar faz parte da história, assim como o 7 de setembro. “Temos que ver 31 de março [de 1964] como um dado histórico de nação, seja com prós e contras. Da mesma forma os desaparecidos. Não temos que nos envergonhar ou nos vangloriar. Nós temos que enfrentar, estudar, discutir como fato histórico”, declarou. O comandante do Exército, Enzo Martins Peri, defendeu a mesma posição de Siqueira, sendo breve nas palavras. “A história está escrita. Vamos olhar para frente”, repetiu duas vezes, após insistência dos jornalistas. Na manhã desta segunda, ao receber o cargo, Maria do Rosário fez um apelo ao Congresso para que aprove o projeto de criação da Comissão da Verdade. A ministra, no entanto, tentou mostrar-se conciliadora: "Não se trata, jamais, de qualquer atitude de revanche, como disse, em seu discurso, a presidente Dilma". O novo ministro do GSI também defendeu aproximação das pastas e disse que vai cumprir o que for determinado pela Presidência. (Fonte: Luciana Marques/VEJA).
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
E a disputa homem/mulher continua; independentemente de egos inflados, os melindres começam a ser aflorados logo no inicio do jogo governamental. A luta para mostrar desde o começo quem tem farinha no saco do 'prestígio', suplanta em muito o bom andamento das pastas, os possiveis programas ou o normal transcorrer do trabalho. Falando no popular: "TUDO COMO DANTES NO QUARTEL DE ABRANTES", entra governo, sai governo!.





Um comentário:

Luz de luna disse...

Feliz año...Un beso...y un gran abrazo