sexta-feira, 17 de setembro de 2010

ANTES QUE A VACA VÁ PRO BREJO!

A QUEDA:
O presidente Lula age de acordo com as pesquisas eleitorais, nada importa mais do que eleger Dilma sua sucessora, e no primeiro turno. E a demissão da ministra Erenice Guerra pode ser um sinal de que a crise começa a afetar, mesmo que minimamente, as intenções de voto em Dilma. Toda a estratégia montada por Lula há muito tempo previa uma eleição polarizada para ser resolvida a 3 de outubro. Por isso, sempre que alguém aventa a possibilidade de haver um segundo turno, é acusado de "golpismo". Como se, como diz Marina Silva, dar mais tempo ao eleitor para se decidir fosse um ato de lesa-pátria, uma traição aos ideais democráticos. Estranha democracia essa, que teme a confrontação direta entre os candidatos, que tem pressa em definir a eleição na primeira rodada. Na verdade, o que os defensores da candidatura Dilma Rousseff temem, especialmente seu mentor, o presidente Lula, é que ela tenha que se expor mais ao debate durante o segundo turno, em condições de igualdade com Serra ou, mais remotamente, com Marina. Na eleição de 2002, o presidente do Ibope dizia que, se o deputado Ciro Gomes tivesse viajado para a Austrália com sua mulher, Patrícia Pillar, e lá ficasse até o fim da eleição, estaria eleito. Ao contrário, ficou por aqui fazendo campanha e acabou pagando pela língua. Dilma não chega a estar tão escondida quanto se tivesse viajado para a Austrália, mas tem sido protegida por um esquema palaciano o mais que é possível. Até mesmo um púlpito montaram para suas entrevistas coletivas, de forma a afastá-la dos repórteres. Por que teria Dilma que falar sobre o caso da ministra Erenice Guerra?, pergunta o líder do governo Cândido Vaccarezza. Ora, simplesmente porque ela foi demitida da Casa Civil depois de sucessivos escândalos envolvendo sua família, e quem a colocou lá foi a própria Dilma. E porque vários dos casos denunciados ocorreram quando Dilma ainda era ministra-chefe do Gabinete Civil, e Erenice, seu braço-direito. O que eu tenho a ver com isso?, pergunta a própria Dilma. Tudo, já que Erenice não tem existência própria sem Dilma, assim como Dilma não existe sem Lula. Erenice não chegaria ao Ministério sem o apoio de Dilma, nem Dilma seria candidata a presidente da República sem Lula querer. Fora isso, a demissão da ministra e as medidas anunciadas pelo ministro da Fazenda para tentar conter o vazamento de dados do Imposto de Renda de políticos e seus parentes mostram que as denúncias tinham fundamento e não são meras ações eleitoreiras, como o próprio presidente alegou inicialmente. Na reta final da campanha eleitoral, eis que mais uma vez, a exemplo do que aconteceu em 2006, os "aloprados" petistas surgem para tumultuar o ambiente político que se anunciava risonho para a candidatura oficial de Dilma Rousseff. Hoje, os "aloprados" surgiram em diversos lugares, e, embora nenhuma ação criminosa denunciada tenha o impacto daquela de 2006, pelo menos visual — a montanha de dinheiro vivo mostrada nos jornais e na televisão era a expressão material do mal feito —, a variedade e a gravidade de crimes cometidos no entorno do PT e do Palácio do Planalto podem ter impacto semelhante. As denúncias sobre quebras de sigilos de parentes do candidato oposicionista José Serra, e de pessoas ligadas ao PSDB, deixam claro que, em meio às tantas irregularidades que surgiram na Receita Federal, houve, sim, um aspecto político relevante, ainda mais quando se sabe que as informações sigilosas apareceram em dossiês feitos dentro da campanha petista e em blogs ligados à campanha de Dilma Rousseff. Mas o tema é de difícil entendimento para a média do eleitorado brasileiro, e sua repercussão ficaria restrita a um eleitor mais bem informado se não surgisse essa série de denúncias de lobby com objetivos financeiros dentro do Gabinete Civil da Presidência da República. As pesquisas, que continuam dando a vitória de Dilma no primeiro turno, mostram que, entre os eleitores que se dizem bem informados sobre as denúncias, e entre os mais escolarizados e com renda mais alta, já há uma mudança de atitude em relação à candidatura oficial. Entre esses, a queda de Dilma e a subida de Serra e Marina já indicam que haveria um segundo turno.(Col. do Noblat):
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Esta matéria do Noblat, vem ratificar nosso ponto de vista em relação a estratégia traçada pelo presidente da república de eleger sua candidata à qualquer custo. Todos os acontecimentos nos subterraneos do planalto e, todos os escandalos veiculados na imprensa, logo aparece algum 'testa de ferro' do governo para tentar minimizar, mas com a flagrante intenção de escudar e esconder a candidata do Lula. Os fatos hora noticiados envolvendo a ministra Erenice Guerra, tiveram inicio muito antes de asumir a Chefia da Casa Civil. O governo federal é responsasavel direto e está envolvido sim. A ex- ministra Dilma, tanto quanto, pois foi sua a indicação da sucessora. CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS!!!!!

2 comentários:

Maria José disse...

Como se não bastassem tantos escândalos nesse atual governo, ainda vemos outros, às vésperas das eleições. O pior é que o povo continua acreditando no PT, isso significando, infelizmente, que há possibilidade de termos uma Dilma na presidência. Grande abraço.

arcanjo disse...

Estamos num desfiladeiro de ilusões , servindo á elite em detrimento de um futuro sólido. Lula alcançara o seu objetivo e as classe menos favorecida pagar o pato. Quem viver verá!
www.arocacontaumconto.blogspot.com