quinta-feira, 15 de julho de 2010

TAPINHA PEDAGÓGICO.

Entrou em vigor ontem, mais uma lei. E desta feita, bastante confusa. Diz respeito à forma de pais educarem seus filhos, mas, sem as velhas e conhecidas 'palmadas', sôb pena de punição com cadeia de até 9 meses, pois, estas estão inclusas em "agressões físicas". Como educar filhos sem as palmadas corretivas? Como educar, valendo-se apenas de castigos e proibições de algo?. A lei, já está sendo chamada de "Tapina Pedagógico". Ao nosso ver, existe um tremendo contrasenso. Em caso de punição de pais ou responsáveis legais, quem será o mantenedor da família? Der que forma, a familia atingida pela ausência do seu 'Chefe' sobreviverá?.Necessário se faz, maiores esclarecimentos por parte do Judiciário e, urge uma revisão ampla no texto da mesma, ao tempo em que carece tambem de profunda análise por quem de direito. A verdade é que, tremenda confusão está estabelecida, podendo em breve evoluir para revolta generalizada. E que se pronunciem os juristas de plantão.

3 comentários:

Maria José disse...

Caro Roy. Esta lei está bastante confusa mesmo, pelos motivos explanados na matéria. Mas posso afirmar-lhe que, como mãe, nunca encostei um dedo em minha filha. Não foi preciso. O exemplo, a conversa, o mostrar o certo e o errado e as consequências advindas, foram suficientes. E nunca tive uma decepção, um aborrecimento sequer com ela. Talvez tenha tido sorte, não sei. Talvez ela tenha sido em Espírito evoluído. Não sei. Mesmo assim, acho covardia bater nos filhos. Quanto à parte judiciária, deixo o comentário para os profissionais da área. Grande abraço.

MOMENTOBRASILCOM.blogspot.com disse...

Maria José, tive oportunidade de entrevistar alguns pais ou responsáveis e tres deles perguntaram-me: "Como fazer uma criança com menos de dois anos, entender o certo e o errado? Por esta razão, fui em busca de novos subsídios. Estarei publicando nova matéria sôbre o assunto. VC, foi extremamente feliz ao ter como filha, um espírito de alta luminosidade. Grato pelas visitas e comentários.Abrçs e bjs carinhosos(con tu permisso). Roy Lacerda.

angela disse...

A maior questão no momento me parece ser o que fazer com a família privada de um dos seus provedores. Onde se colocariam essas pessoas, em celas comuns, com nossos presidios cheios e o judiciário atopetado de casos que não dá conta de julgar? Não teriam julgamento? Será que esta é a medida mais urgente a ser tomada para cuidar de nossas crianças? Já não existe lei que pune a agressão física independente do sexo, idade, etc? Vou parar por aqui pois as perguntas seriam muitas. Que fique claro que não estou defendendo os tapas em crianças, não gosto de agressão de especie alguma.
abraços