sábado, 10 de abril de 2010

PACIÊNCIA, OBEDIÊNCIA E RESIGNAÇÃO

Cristo é nosso modelo. Ele sofreu mais que qualquer um de nós e não mereceia censura alguma. Nós temos de expiar nosso passado e nos fortalecer para o futuro.(Instruções dos Espíritos).
PACIÊNCIA:
Os escolhidos de Deus são abençoados com a dor. È sua marca neste mundo para a glória do céu. Assim,pois, quando o sofrimento nos atingir,não deixemos que a aflição nos domine. Antes, demos graças a Deus e exercitemos a paciência. Ela é tambem caridade, e devemos paraticar a lei da caridade que Jesus nos ensinou. Dar esmolas aos pobres é a caidade mais fácil. Bem mais penosa e, portanto, mais meritória é a caridade de perdoar aqueles que Deus colocou em nosso caminho para serem os 'instrumentos' de nosso sofrimento e os testes de nossa paciência. A vida não é fácil e com frequência nos machucamos no cumprimento dos deveres que ela nos impõe. Se considerarmos,porem, as consolações e as compensações que recebemos tmbem,concluiremos que as bênçãos são mais numerosas que as dores. "O fardo parece menos pesado qunado se olha do alto do que quando nos curvamos para o chão."(Um Espírito amigo,Havre,1862).
OBIDIÊNCIA E RESIGNAÇÃO:
A obidiência e a resignação, embora as pessoas as confundam erradamente com a negação do sentimento e da vontade, são virtudes muito ativas porque carregam o fardo das provas, enquanto a revolta e a lamentação insensatas o deixam cair. O fraco e o covarde não podem ser resignados.O orgulhoso e o egoísta não podem ser obidientes.Cada época está marcada com o selo da virtude ou do vício que a deve salvar ou perder. A virtude da geração de Kardec foi a atividade intelectual; e a indiferença moral, o seu vício. As virtudes da nossa geraçãosão a tecnologia e a pesquisa genética. E sus vícios,alem da indiferença moral,são o consumismo e a degradação doplaneta. A grandelei do progressofoi a palavra das gerações no século 19. A lei da justiça, do amor e da caridade deve ser a paavra das gerações do século 21. O espírito preguiçoso,que fecha seu entendimento para a verdade, sofrerá a disciplina imposta pelos 'guias' da humanidade e sua resistência orgulhosa deverá ceder, cedo ou tarde; bem-aventrados, no entanto,os obidientes e os resignados,porque seus ouvidos serão dóceis aos ensiname
ntos.(Fonte: Allan Kardec,O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo ix)


2 comentários:

angela disse...

Bonito texto.

Maria José disse...

É preciso ter sempre paciência. É um aprendizado, um esforço consciente, que nos leva ao amor, que nos leva a trocar os pensamentos triviais, para os úteis e primordiais ao desenvolvimento pessoal e interpessoal.
A obediência é o consentimento da razão; a resignação é o consentimento do coração, forças ativas, e que carregam o fardo das provações que a revolta insensata deixa cair.
Grande texto de essencial leitura para o aprendizado da Doutrina Espírita, bem como, para o nosso dia-a-dia. Parabéns e grande abraço.